O Ministério Público do Paraná (MPPR), através da Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública de Curitiba, pediu explicações e providências à secretária municipal de saúde, Márcia Huçulak, para assegurar a “equidade” da vacinação. No ofício, encaminhado à secretária, o promotor Marcelo Paulo Maggio diz:

“Reforça a Vossa Excelência a recomendação de que somente sejam vacinados trabalhadores de saúde que se amoldam ao preconizado pelo Ministério da Saúde, desse modo deixando de efetuar, neste momento do processo de imunização, a vacinação de profissionais da UNIMED e de outras empresas atuantes na área da saúde que não atuem no enfrentamento direto da Covid-19, sob pena do(s) responsável(is) virem a futuramente responder civil e criminalmente por tal ato”, diz o promotor no ofício.

Ele ainda dá um prazo de 48 h para que Huçulak responda o ofício, dizendo quais providências tomou diante das recomendações.

Um comunicado encaminhado a todos os funcionários da Unimed Curitiba e demais empresas do grupo, nesta última sexta-feira (07), convocou todos os colaboradores da empresa para que comparecessem ao Pavilhão da Cura, no Parque Barigui, em Curitiba, neste sábado (08), para tomarem a vacina da Covid-19. Independente de ter comorbidade, bastava ser maior de 18 anos e ter sido contratado pela empresa no máximo até dia 5 de abril para ter direito à vacinação.

A informação foi divulgada pelo Plural, na noite de sexta-feira (07). Uma longa fila se formou no pavilhão ao longo deste sábado, livre inclusive para pessoas que atuassem em setores administrativos e home office, já que o comunicado da empresa aos funcionários não limitava setores ou trabalhadores atuantes diretamente no enfrentamento à pandemia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *