Não é novidade para ninguém que o foco da política nacional está na CPI da pandemia, uma vez que essa comissão tem o intuito de analisar as ações do governo durante a pandemia da covid-19, no Brasil. Ontem (14/05), o país pôde ter mais respostas de um questionamento que parece interminável.

O que foi exposto em Comissão Parlamentar de Inquérito, é que o Brasil poderia ter hoje mais de 18 milhões de doses de vacinas se o presidente Jair Messias Bolsonaro tivesse respondido as ofertas de vacina da Pfizer, no ano passado.
Em breves números, aponta-se que em 2020 Bolsonaro recusou cinco propostas de compras de vacinas da Pfizer. Apenas em agosto esta teria feito três propostas, sendo nos dias 14/08, 18/08, 26/08, oferecidos 70 milhões de doses em cada dia, nessa proposta a primeira entrega de 1,5 milhão de doses seria realizada em dezembro de 2020.

Bolsonaro já protagonizou falas em que aponta não entender a pressa da população em receber a vacina contra a covid-19. Atualmente o Brasil soma mais de 430 mil mortes pela doença, sendo que apenas 16,2% da população brasileira encontra-se vacinada com apenas uma dose, hoje.

É de se espantar. Destaco aqui que a porcentagem que o país precisa alcançar para que a doença seja controlada é de 70% da população, estamos muito longe disso e com a sensação de que nunca vai acabar, por conta da negligência do governo no que tange a vacinação.

Continua após a propaganda

É óbvio que não consigo enxergar o presidente como uma pessoa ingênua. Infelizmente este optou por um projeto político, um projeto político que soma muitas mortes, mas que é óbvio. Se a arma contra a covid-19 é a vacina e você opta por não comprar vacinas para a sua população, você está corroborando com a morte de muitos contra a doença, é uma lógica negacionista que é feita de forma pensada e não de forma ingênua.

Importante apontar que países que optaram pela saúde da população já estão conseguindo amenizar os casos e até mesmo retirar as máscaras, como é o caso dos Estados Unidos. Nesta quinta-feira a repórter Raquel Krahenbuhl tirou a máscara ao vivo durante o jornal da GloboNews. Práticas como essas já estão sendo comuns por lá, quando o cidadão está vacinado com duas doses, em alguns locais, como ao ar livre.

Mas por algum motivo, o governo brasileiro não possui o projeto de salvar sua população e opta pelo não combate à pandemia.

2 Comments

  • Júnior Gonçalves, 14/05/2021 @ 18:13 Reply

    Senhorita Camilla Gonda, como pode dizer uma coisa dessa, se todos vimos ontem que o Presidente da Pfizer foi categórico em dizer que o Brasil foi um dos primeiros países a certificar a vacina da Pfizer através do órgão regulamentador Anvisa.
    Este “papo” de esquerda não cola, o povo bolsonarista ou não, estão muito bem informados e não vão mais cair na retórica da imprensa esquerda.

  • Joaquim Fonseca Gouveia, 27/05/2021 @ 02:52 Reply

    Não vou repercutir o jornalismo comunista desta mentirosa defensora de que a CHINA domine o País. O Sr. Júnior Gonçalves já retratou o que aconteceu sobre a compra das vacinas. O Presidente Bolsonaro é uma pessoa honesta que não rouba, não deixa Roubar e acabou com a mamata da imprensa marron. Por isso este tipo de Pronunciamento falso de uma pessoa que não é Patriota e quer destruir o Brasil. A Verdade prevalecerá. BRASIL acima de tudo. DEUS acima de todos. Joaquim GOUVEIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *