Quatro pessoas e três clínicas de saúde estão sendo investigadas pela suspeita de terem furado a fila de vacinação contra a Covid em Rio Branco do Sul. O município foi a primeira parada da Comissão Especial de Investigação (CEI), da Assembleia Legislativa, que analisa o cumprimento da ordem de vacinação no Paraná.

Presidente da Comissão, o deputado Delegado Francischini esteve nesta sexta-feira (30) com a prefeita Karime Fayad e recebeu relatório apontando nomes e a relação de duas clínicas odontológicas e um laboratório que estariam sob investigação. Os envolvidos serão intimados a prestarem depoimento aos deputados.

“Escolhemos Rio Branco do Sul porque a prefeita Karime se tornou uma referência, pois tomou todas as providências ao saber das denúncias. Queremos ser uma Comissão para construir melhor o processo de vacinação, e não destruir o que é tão importante neste momento. Queremos dar credibilidade à imunização para a sociedade confiar”, explicou Francischini.

Continua após a propaganda

Foto: Wallace Machado

“São medidas como esta que outros prefeitos no Paraná e no Brasil podem fazer para que não existam fura-filas, essa atitude abominável”, reforçou.

“A gente agradece e parabeniza a Assembleia Legislativa e a sua iniciativa, Francischini. Hoje entrego todos os documentos dos procedimentos que fizemos no município. Nós divulgamos no portal da transparência o CPF de todos os vacinados. Aconselho que nossos colegas prefeitos façam isso sem temer. Aqui o Ministério Público instaurou inquérito e internamente instalamos uma sindicância para apurar se houve falhas”, declarou Karime. Também participaram do encontro, o procurador do município Alfredo Moreno e o secretário de saúde, Rafaele Corradi.

Os fatos chegaram até o conhecimento público depois de denúncias feitas pela indignação da população. E agora serão analisados pela Comissão Especial e também encaminhados ao Tribunal de Contas (TCE-PR), que tem acompanhado o processo de vacinação com o cruzamento de dados, onde foram detectadas as primeiras irregularidades no estado.

Rio Branco tem 32 mil habitantes, com três mil imunizados com a primeira dose e 1.610 pessoas receberam a segunda dose. O processo de vacinação para a primeira dose está suspenso pela falta de imunizantes, mas há reserva para a segunda dose.

Para encontrar mais casos a serem investigados, Francischini convocou a sociedade a contribuir. “A população tem papel fundamental no trabalho da Comissão Especial. Se você sabe ou conhece alguma história de irregularidades na vacinação do seu município, sua denúncia vai contribuir para acabarmos com esse mal pela raiz do problema”, completou.

Membros – Além do Delegado Francischini (PSL) são titulares da Comissão os deputados Hussein Bakri (PSD) que será o relator, Tiago Amaral (PSB), Michele Caputo (PSDB), Arilson Chiorato (PT), Nelson Justos (DEM) e Delegado Jacovós (PL). Os suplentes são Emerson Bacil (PSL), Artagão Junior (PSB), Paulo Litro (PSDB), Tadeu Veneri (PT), Anibelli Neto (MDB) e Galo (PODE).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *